Archive | julho 2012

Los Porongas – rock está mais vivo no Acre que em muitos outros Estados

A primeira vez que li o nome Los Porongas foi em uma lista por aí na internet dos melhores discos nacionais do ano. O álbum referente é “O Segundo Depois do Silêncio” (download gratuito no site oficial), e realmente foi descrito pelos críticos não só como um dos melhores no cenário independente do ano como também o firmamento da banda como promessa concretizada. Para quem não conhece a banda ainda, basta adiantar que tocam rock alternativo, nada tão original, mas extremamente convincente.

Oriunda do Acre, a banda impressiona por trazer um som tão cosmopolita de uma região geograficamente afastada. Ou melhor, não é a banda que impressiona, mas as pessoas que se impressionam. Se impressionam e não deveriam, pois não existe pensamento mais retrógrado, ainda mais em um mundo globalizado, que imaginar que as grandes produções culturais e artísticas se limitam ao Sudeste brasileiro. E acrescento: quem está ligado em música alternativa sabe que grandes nomes são de lugares bem longinhos de SP, como Vanguart (Mato Grosso) e Vivendo do Ócio (Bahia). Então, por que não surgir uma banda de tamanha qualidade no Acre? Dá-lhe Los Porongas! Infelizmente a indústria cultural, sim, está concentrada no Sudeste, mas acredito que uma descentralização é iminente. A fim de impulsionar a carreira, a banda acriana se mudou para a capital paulista, refletindo essa infeliz premissa do monopólio paulista/carioca da indústria cultural.

Música do CD novo, a minha favorita.

Apesar de tantos elogios, não chego nem perto de ser fã da banda, não conheço muitas músicas e nem tenho muita intimidade com o som, então prefiro adiar críticas das músicas em si para outra oportunidade. Apenas adorei o som de primeira impressão, e o objetivo do post é compartilhar um som bem feito. Aproveitem as músicas e as gravações ao vivo também, pois a química da banda é boa.

Além do nome em ‘espanhol’, essa música tem um quê muito presente de Los Hermanos.

Frases de Caetano Veloso

Coletânea de frases de Caetano Veloso, um músico de extrema importância para o que é a cultura brasileira hoje. Ao contrário do que quase sempre acontece, o reconhecimento de Caetano é atual, principalmente pelo impacto que o movimento Tropicália causou no país e na conquista da democracia e identidade do povo brasileiro.


– “Sou um subintelectual de miolo mole“.
                                       – auto-avaliação em um de seus poucos momentos de modéstia.


– “Temo que esse projeto venha a ser um sintoma da mania brasileira de não dar certo. Toda essa tradição de sucesso da música popular no Brasil se deu também por causa da parceria com a indústria multinacional. Atacá-la agora, quando ela está mais fraca, é doentio.
                         – sobre regras mais rígidas à indústria cultural a fim de tentar dificultar a burla dos direitos autorais.


– “Vivemos com medo e isso nos leva a apoiar os líderes mais inaceitáveis“.
                         – reflexões sobre política. 

– “Osama Bin Laden é um homem bonito e se parece com algumas pessoas da minha família“.
                             – sobre a estranha semelhança física entre Veloso e Bin Laden. Constratação igualmente estranha.   


De perto ninguém é normal“.
                                    – na música Vaca Profana.


– “O tempo não pára, no entanto, ele nunca envelhece
                         – na letra da música Força Estranha.


– “Bota essa porra pra funcionar direito!
                                      – dando piti com os sérios problemas técnicos que enfrentou em um show produzido pela MTV.


– “Gente é pra brilhar, não pra morrer de fome
                                       – apelo na música Gente.


– “Meu negócio agora é sexo e amizade. Acho esse negócio de amor uma coisa muito chata.
                                        – em fase nada romântica.  

              

Gostou? Compartilhe para seus amigos.

Adoniran Barbosa para todos os gostos

Após um hiato de quase um mês, sem postar praticamente nada no blog (culpa da ociosidade promovida pelas férias), resolvi quebrar o galho com algo diferente: fiz uma montagem com várias versões da música “Tiro ao álvaro” do consagrado músico/comediante Adoniran Barbosa, para todos os gostos.